quarta-feira, 6 de novembro de 2013

BH mal assombrada: conheça as lendas dos fantasmas que vagam pela cidade

Lendas de fantasmas que fazem parte da história de BH foram catalogadas no livro "Guia do Morador Belo Horizonte", organizado por Roberto Andrés e Fernanda Regaldo.

O capítulo sobre os seres assustadores, escrito pela professora Heloísa Starling, mostra como as histórias apareceram a partir da destruição do velho Curral del Rey, que deu lugar à construção da futura capital de Minas Gerais, em 1897.

Segundo Heloísa Starling, os fantasmas de BH surgiram da destruição das velhas casas que deram lugar à nova capital.

— Nenhuma outra capital brasileira tem destruído tanto a forma de seus lugares públicos. Essa é a maneira dos habitantes pensarem a destruição da cidade. Os fantasmas são a memória do lugar.

Roberto Andrés vê as histórias de fantasmas como consequência da destruição das velhas casas.

— Nessa ânsia de modernização, as casas vão sendo destruídas. É demolir e reconstruir. Isso fica gravado.


O bairro da Serra, na região centro-sul, é um dos que conta com seu fantasma: um senhor de terno preto e guarda-chuva que surge nos portões das casas da rua do Ouro, segundo o guia, para assombrar os vizinhos.



Reza a lenda que a Moça Fantasma desce a Serra do Curral toda vestida de branco para encontrar amores perdidos.



Quem sobe a rua da Bahia até a avenida Afonso Pena, no centro, se depara com um grafite da Maria Papuda em frente ao Parque Municipal.

De acordo com uma antiga lenda, ela é a última moradora do Curral del Rey e teve um casebre destruído naquele quarteirão.


 
A história diz que o Avantesma da Lagoinha é um senhor de terno preto, sem rosto definido, que assusta os motoristas.

Ele tem "aparência excêntrica e chora um choro convulsivo". Antes, assustava os condutores dos bondes. Hoje, pendura-se nos viadutos para importunar motoristas de ônibus.



O fantasma do Palácio da Liberdade é um clássico de BH. Um casebre do antigo curral deu lugar à sede do Governo, na Praça da Liberdade. Segundo a lenda, os moradores que foram expulsos passaram a assombrar os políticos.

Dois governadores de Minas, João Pinheiro (1860-1908) e Raul Soares (1877-1924), morreram dentro do Palácio, o que reforçou a lenda.

Na verdade, na época, os políticos moravam no Palácio. Quando governador, Itamar Franco (1930-2011) testemunhou aparições. "As portas fechadas, as janelas fechadas e de repente a porta abria. Isso acontece de vez em quando aqui".



A Loira do Bonfim, segundo a lenda, aparece no cemitério de mesmo nome, criado no ano de fundação de BH, em 1897, na região noroeste.

Os livros contam que a mulher pedia carona para os motoristas para voltar para casa, que era o próprio cemitério. Ao chegar ao destino o homem, assustado, percebia que a loira já tinha desaparecido entre os túmulos antigos do lugar.


Fonte: R7
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...